quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013
Lagoa tomada pelo lixo traz os insetos e doença para população
Compartilhe:Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Email this to someonePin on Pinterest0
Coberta pelo mato, o lago mais parece um esgoto a céu aberto, tamanha é a sujeira e o mau cheiro no local

Coberta pelo mato, o lago mais parece um esgoto a céu aberto, tamanha é a sujeira e o mau cheiro no local

Às margens da BR-316, no trecho urbano da zona Sul de Teresina, uma lagoa repleta de lixo tem tirado o sossego de moradores da região. Segundo eles, o mau cheiro, a sujeira e a presença de insetos são algumas das consequências que a população tem que encarar, diariamente, por conta da situação em que a lagoa se encontra. Há também a denúncia de que parte dos dejetos gerados na Casa de Custódia, localizada ao lado da lagoa, são despejados diretamente no local.
A lagoa está localizada no bairro Santo Antonio, zona Sul de Teresina, próximo ao balão da Casa de Custódia. Coberta pelo mato, o lago mais parece um esgoto a céu aberto, tamanha é a sujeira e o mau cheiro no local. Além do lixo, nesta semana é possível avistar um capacete boiando na água.
“Já teve acidentes em que veículos, vindos em alta velocidade, caíram dentro da lagoa após os motoristas perderem o controle. Jogam restos de animais, lixo comum e outros dejetos lá dentro. A situação só vai piorando sem que ninguém tome uma atitude”, reclama a dona de casa Joselita Mendes, que mora por trás da lagoa, na rua Antônio Gregório Veras.
Os moradores denunciam, também, que parte do esgoto que sai da Casa de Custódia é despejado diretamente na lagoa e lá fica acumulado sem qualquer tipo de tratamento. Quando chove, parte da água invade as pistas da rodovia. “A situação é de total descaso do poder público com as pessoas que vivem aqui. Têm dias em que o mau cheiro fica insuportável e também há muitos mosquitos e insetos que podem transmitir doenças”, desabafa a moradora Livânia Norberto, que é geógrafa e tem pesquisas na área de meio ambiente.
Por conta da situação, um abaixo-assinado já foi feito pelos moradores e entregue à Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU SUL) para resolver o problema, mas até agora nada foi feito. De acordo com a assessoria de comunicação do órgão, o superintendente Edson Melo tomou conhecimento do problema e prometeu visitar a área ainda nesta semana para avaliar quais medidas podem ser tomadas para amenizar a situação de imediato, a exemplo da limpeza do entorno da lagoa.
Ainda de acordo com o órgão, trata-se de um problema de drenagem, que só será resolvido com a construção de uma galeria na região, projeto que não tem data para ser executado por conta da falta de recursos. Além disso, o órgão informou que vai procurar a Secretaria Estadual de Justiça para que ela ajude a apontar uma solução para o problema, já que parte do esgoto da Casa de Custódia é despejado na área.

 

Fonte: Diario do Povo

Deixe uma resposta